Follow by Email

domingo, 8 de maio de 2011

Bibliotecários na literatura

Como havia prometido, depois de um post com personagens bibliotecários centrais em filmes, agora o foco é em livros de ficção, mas tendo no profissional bibliotecário participação contundente nas histórias e não sendo mero coadjuvantes. Segue a lista:

A MULHER DO VIAJANTE DO TEMPO


Sinopse: Este livro narra a história do casal Henry e Clare. Quando os dois se conhecem Henry tem 28 anos e Clare 20. Ele é um moderno bibliotecário; ela, uma linda estudante de arte. Os dois se apaixonam, se casam e passam a perseguir os objetivos comuns à maioria dos casais: filhos, bons amigos, um trabalho gratificante. Mas o seu casamento nunca poderá ser normal.

ASSASSINATO NA BIBLIOTECA

Sinopse: Prepare-se para se surpreender. Assassinato na biblioteca, o novo romance juvenil da escritora e jornalista paulista Helena Gomes, autora de Lobo Alpha, entre outros, é uma bem costurada trama de ação e suspense que prende a atenção do leitor do início ao fim. Mas não é só isso. Com um enredo que vai e volta no tempo, o livro conta uma história de mistério que beira o sobrenatural, no ritmo das narrativas policiais, mas oferece mais do que puro entretenimento: para decifrar o assassinato da bibliotecária do tradicional colégio onde estuda, em Santos, no litoral paulista, o jovem Igor se envolve num intrincado quebra-cabeças e acaba descobrindo muito sobre um período negro da história do Brasil: a ditadura militar.
Novo na cidade, sem conseguir aceitar a morte do pai e o novo casamento da mãe, Igor é o típico adolescente-problema. Em casa, vive trancado no quarto; na escola, tem dificuldade para se integrar com os colegas e passa a maior parte do tempo sozinho na biblioteca, para fugir da chatice das aulas. É justamente numa de suas manhãs na biblioteca vazia, quando na verdade deveria estar em sala, que Conceição, a bibliotecária, é assassinada. O cenário é perfeito para incriminar o menino desajustado. Para provar que não é o assassino, Igor conta com a ajuda de Lara, uma menina-fantasma que mora na biblioteca da escola, local onde foi assassinada, em 1970, período negro do regime militar, quando tinha apenas 14 anos.
Alternando-se entre o crime ocorrido há 38 anos, quando Lara ia encontrar o irmão mais velho, estudante de filosofia da USP envolvido com o movimento estudantil, para entregar-lhe dinheiro para fugir, e os assassinatos que se sucedem à morte da bibliotecária, a trama surpreende o leitor com conexões inesperadas entre os fatos e os personagens a cada capítulo. A história familiar de Igor, a ligação entre a família de Lara e a de Gustavo, padrasto do garoto, a extravagante diretora Eunice, o sinistro vigia da escola, Gilmar, a bondosa e observadora irmã Mariana, professora de português há décadas, o solitário professor de filosofia Luiz, o prestigiado jornalista Henrique Sobral e o delegado Beltrão, todos estão mais envolvidos com as mortes ocorridas no Colégio Santa Maria do que Igor jamais poderia supor.
Com reviravoltas a todo momento, Assassinato na biblioteca é um romance eletrizante que leva o jovem a refletir sobre a história recente do país, mostrando como a tortura e a repressão modificaram as vidas de milhares de pessoas. A autora aborda ainda questões que povoam o universo adolescente, como as dificuldades de relacionamento nas novas estruturas familiares, enquanto envolve o leitor numa atmosfera de suspense que tem um pé na realidade e outro na fantasia, demonstrando grande habilidade narrativa para se comunicar com os jovens. Não pode faltar em nenhuma biblioteca!


A EXCEÇÃO

Sinopse: A politicagem no trabalho pode ser irritante, deprimente ou talvez ridícula. Mas pode resultar em situações caracterizadas por psiquiatras e juristas como assédio moral ou coisa pior. Neste thriller psicológico, Christian Jungersen exibe o apodrecimento das relações profissionais de quatro mulheres e um diretor, funcinários de uma organização européia com finalidades acadêmicas e humanitárias: o Centro dinamarquês de informações sobre Genocídio, em Copenhague.

O MILAGRE


Sinopse: A obra conta a história de Jeremy Marsh um jornalista científico que tem como principal hobby desmascarar supostos eventos sobrenaturais. Bonito, charmoso, bem sucedido, Jeremy faz grande sucesso entre as mulheres, porém, não consegue se engajar em relacionamento romântico algum além da superficialidade da conquista desde que passou por um casamento frustrado, onde grande parte de seus sonhos morreram. As luzes misteriosas do cemitério de Boone Creek fazem com que Marsh, por conta de uma carta de uma moradora, saia de Nova York para passar alguns dias na pequena cidade (fictícia) da Carolina do Norte. O jornalista esperava encontrar apenas uma cidade típica do sul e uma grande mistério para desvendar, porém, jamais imaginava que no pacato local exisita Lexie Darnell,  a charmosa bibliotecária da cidade e neta da autora da carta que levou Jeremy até ali. Lexie perdeu os pais quando era pequena e foi criada pelos avôs. Trabalha na biblioteca da cidade, ama sua profissão e faz questão de assumir uma postura fechada e resistente quanto ao interesse amoroso dos homens já que se decepcionou bastante com suas antigas desilusões amorosas, o que dificulta seu relacionamento com Jeremy. Enquanto tenta descobrir o mistério que envolve as luzes do cemitério da cidade, Jeremy não consegue evitar que sua mente vague para o escritório de Lexie, logo ao lado. A história é clichê, ele se apaixona por ela, faz de tudo para ficarem juntos, mas ela não aceita por medo de sofrer.  No meio do romance entre o jornalista e a bibliotecária encontrei o que mais gosto nos livros do Sparks, os outros personagens divertidos e encantadores que ele cria deixando a história ainda mais interessante. Em O Milagre encontramos Tuly, o idoso e falante dono do posto de gasolina; Rachel, a divertida garçonete; Alvin, o cameraman rockeirão e melhor amigo do protagonista; Doris, avô de Lexie,uma senhora sensitiva e cativante que faz a coisa certa, na hora certa; Rodney, o assistente de xerife super protetor e com uma queda por Lexie; e, claro, o prefeito Gherkin, homem estranho, engraçado e apaixonado pela cidade em que vive.

AS MEMÓRIAS DO LIVRO


Sinopse: Hanna Heat é uma conservadora e restauradora de livros australiana que é chamada para estudar um famoso manuscrito datado do século XV: a Hagadá de Saravejo, um livro religioso dos judeus que possui esplêndidas iluminuras, coisa proibida na religião daquela época. O trabalho da phD de Sydnei é restaurar a misteriosa Hagadá que fora conservada (e salva) por um bibliotecário muçulmano. Porém, ao examinar as páginas desgastadas — sempre sob o olhar de uma armada enorme de seguranças — ela percebe traços que podem revelar muito sobre a história daquela relíquia: a asa de um inseto, um fragmento de pena, manchas avermelhadas, um pêlo branco, cristais de sal, e outros. É através desses elementos que a história daquele livro é construída entre as páginas do romance. A partir das pistas, começam-se a intercalar capítuos que oscilam entre o presente — com os diversos confltos e Hanna; e o passado — em ordem decrescente de data, é contada a história de cada um daqueles traços encontrados na Hagadá. Isso transforma o As Memórias do livro praticamente numa obra de contos, no qual várias pequenas histórias ajudam a elucidar a trama principal para o leitor e, de certa forma, para a própria Hanna, que passa por conflitos secundários com sua mãe, uma médica famosa que nunca perdoara o fato da filha ter seguido a carreira da arte, ao invés da medicina; com o bibliotecário muçulmano, com o qual ela se envolve; com seus amigos pesquisadores, que auxiliam com as análises das pistas; e, por fim, com a revelação de que seu pai fora um grande pintor australiano, cuja morte sua mãe estivera envolvida.

NAS RUAS DE LUANDA, O MEU ROMANCE


Sinopse: Luanda, não é uma cidade qualquer. É a cidade para onde convergem ao longo destes últimos anos todo tipo de pessoas: aventureiros dos quatro cantos do mundo, mas também angolanos vindos de outras partes do país, que trazem para a cidade seus mitos, seus fantasmas e seus medos. Teca, uma moça luandense, é uma das personagens principais da história. Estudante e bibliotecária, filha de um empresário e político rico e bem-sucedido — tinha o futuro a abrir-lhe os braços. Ao lado da rica personalidade de Teca e o seu encanto pessoal atrai Edi — um estudante fabuloso e inteligente. Teca é a jovem dotada das mais belas qualidades: dedicada e trabalhadora, disposta inclusive a lutar quando na festa de seu aniversário o pai é assassinado. Naquela situação trágica Edi resolve juntar-se à Teca para apanharem os culpados. Teca e Edi protagonizam neste romance uma famosa história de amor, crime, vingança e aventura. Mas o cenário original é a fantástica e turística cidade de Luanda. Está agora nas mãos de Teca e Edi garantir que os culpados não escapem... E está nas suas mãos não deixar de ler este emocionante épico luandense repleto de acção e suspense.

BIBLIOTECA


Sinopse: "Qualquer bibliófilo gostará certamente de livros que falem sobre livros. E irá tremer ao reconhecer-se nas palavras doces de amor à literatura. Na paixão violenta que o impele para os livros, qual caçador de sonhos e páginas amarelecidas. Ao ler um livro sobre o amor pelos livros, o bibliófilo irá identificar-se com o narrador ou as personagens literárias. Porque um amante da literatura vive a (da) literatura e sabe que não existe muito mais para além dos livros. Biblioteca reúne 6 contos fantásticos sobre 6 bibliotecas: a virtual, a particular, a nocturna, a infernal, a mínima e a requintada. As personagens, intimamente ligadas aos livros, sofrem mil e uma peripécias à custa do seu encanto pela literatura [...] É impossível não ligar os contos de Biblioteca à ideia borgesiana de ‘Biblioteca de Babel’, onde o mundo está inundado por uma quantidade infinita de livros. Mas nem tudo são rosas: Zoran Zivkovic não nos apresenta o livro como um objecto precioso mas infernal que vai dar cabo da vida aos bibliófilos. Apesar disso, os contos são tão bonitos e magníficos que o leitor depois de começar a ler já não conseguirá parar. "

O GUARDIÃO DE LIVROS


Sinopse: Uma escrava muda conta um segredo guardado durante 200 anos; um escravo apaixona-se por quem não deve; uma carioca leva um português a descobrir as delícias do sexo; um cientista judeu a quem são confiados dois livros raros naufraga nas ilhas Malvinas. Estas são algumas das personagens deste romance, que nos narra a vida de Luís Joaquim dos Santos Marrocos, um bibliotecário hipocondríaco que, em 1811, atravessa o Atlântico rumo ao Brasil acompanhado por 76 caixotes cujo conteúdo era verdadeiramente precioso: no seu interior seguia a Real Biblioteca do Palácio de Ajuda, inicialmente esquecida no cais de Belém aquando da saída apressada da Corte portuguesa para o Brasil em 1808. A chegada ao Rio de Janeiro não foi fácil para Marrocos ao deparar-se com uma cidade onde nada o seduzia, - nem a comida, nem os cheiros, nem o calor - e com uma corte endividada, amante de cerimónias grandiosas e grosseira nos seus costumes diários. Mas tudo mudou quando conheceu Ana de Souza Murça. A autora descreve-nos uma vida rica em acontecimentos inesperados, onde a ironia se mistura com momentos comoventes. Depois do sucesso de O Segredo da Bastarda Cristina Norton volta a deslumbrar-nos com o seu estilo expressivo e inovador assente numa pesquisa histórica séria. Este romance enfeitiçará e prenderá o leitor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui seu comentário