Follow by Email

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Perfil do Bibliotecário - Elzimeire Coelho Matos

Me chamo Elzimeire Coelho Matos, nasci na cidade de São José de Ribamar, tenho 27 anos, me formei em Biblioteconomia (UFMA) no início de 2008, já fui bibliotecária do IFPI Floriano, e após 2 anos em decorrência de um outro concurso retornei para o meu estado para trabalhar dessa vez no IFMA da cidade de Imperatriz, local que eu estou até hoje.

 Um livro? 
A Bíblia.
 Um filme?
Nenhum especial, mas gosto de filmes de ação.
 Uma frase?
As frases eu mesma construo, curto e aplico ao longo da minha vida.
 Trabalha em que tipo de Biblioteca? 
Boa pergunta. Inicialmente, seria uma biblioteca especializada, hoje também é uma biblioteca universitária e escolar. Classificá-la em um só tipo é impossível.
 Qual imagem tem do Bibliotecário?
Antigamente, a imagem que eu tinha não era uma das melhores. Mas hoje, não sei se é porque já convivi com ótimos profissionais e por conhecer muitos deles, tenho a imagem de um profissional estudioso, trabalhador e comprometido com o que faz.
 Qual imagem acha que passa para o usuário?
Humm, de bibliotecária boazinha, pelas experiências que já vivi. Mas, na realidade não me acho boazinha.
 O que te diferencia de outros profissionais?
O amor que eu tenho pelo que eu faço, a minha dedicação e o meu compromisso social com a minha profissão.
 Qual o maior mico que já pagou numa biblioteca?
Com certeza já paguei algum, mas no momento não me vem nenhum à memória.
 Qual o seu Hobby? 
Pode não parecer hobby, mais pra mim é ficar em casa, quer seja lendo, estudando, nagevando na net ou dormindo. Estar em casa pra mim é o máximo.
 Qual o seu maior sonho? 
Eu considero um verdadeiro sonho as pessoas conseguirem amar verdadeiramente umas às outras.
 O que faz fora da Biblioteca?
Arrumo minha casa, durmo bastante, vou à igreja, também à academia e saio muito para comer fora (adoro).
 Quais ações culturais você realiza ou gostaria de realizar?
 Na biblioteca em que trabalho temos ações anuais prevista no calendário escolar, tais como: Campanha de Preservação do Acervo e Semana Montelliana, eventos estes recheados de atividades, como: oficinas, minicursos, exposições, palestras e premiações.
 Por que escolheu o curso de Biblioteconomia?
Por eliminação dos cursos existentes na UFMA. Primeiro: eu não queria nenhum curso da área da Saúde, não tenho aptidão. Segundo: A área exata não era meu forte. Terceiro: Na área de humanas, só tem cursos que te levam à licenciatura (Professor???? Nunca); Quarto: Nas ciência sociais tinha a assistência social (eu não sabia muito bem do que tratava) e a biblioteconomia como opção. Como minha cunhada na época fazia o curso, ela e o meu irmão acabaram por me conquistar para o curso, ela em especialmente falou tantas coisas boas, tantas opções de campo de trabalho, que eu acabei por decidir pela Biblioteconomia. E não é que eu gostei e deu certo!
 Quais são suas expectativas para o futuro profissional?
Excelentes, pretendo dar início a um mestrado e continuar realizando pesquisas. Pra mim não existe coisa melhor.
 Biblioteconomia foi sua primeira opção ao prestar vestibular?
Sim, minha primeira e última opção. O engraçado que em 2002, meu primeiro ano como vestibulanda existia ainda o famoso PSG e o vestibular tradicional, e como eu já estava tão certa da minha opção de curso, acabei por escolher Biblioteconomia para os dois vestibulares, para eu não correr o risco de ficar de fora. Resultado: passei nos dois vestibulares para o mesmo curso. Graças a Deus!!!!
 Você acha que o campo da Biblioteconomia ainda é visto como um campo dominado por mulheres? 
Antigamente sim, a Biblioteconomia era amplamente dominada pelo sexo feminino. Hoje, acredito que isso tem melhorado, um número considerável de homens já tem escolhido a Biblioteconomia. Mas, ainda não é maioria e acredito que não será, devido a vários fatores, um deles são os históricos. O homem é mais exato, gosta mais da matemática, da engenharia, da física; as mulheres por sua vez, são mais ligadas ao ensino, à orientação, à educação em geral. A predominância feminina pode ser vista não somente na Biblioteconomia, como também em outros cursos das ciências sociais.
 A melhor lembrança que teve da graduação?
Não existe a melhor, existem as melhores: as amizades, as experiências como estagiária, pois contribuiu muito para minha formação e os mestres que fizeram parte da minha formação.
 A melhor lembrança que teve da profissão?
O reconhecimento e valorização de superiores pelo trabalho realizado. Isso aconteceu no IFPI.
 Como você analisa o Mercado de trabalho?
Em expansão para os excelentes profissionais.
Fonte: http://ascoisasdabiblio.blogspot.com/2012/02/perfil-do-bibliotecario-elzimeire.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui seu comentário