Follow by Email

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Perfil

Michelle Pinto




Da graduação para os dias atuais avalio que obtive alguns avanços e insucessos na minha labuta biblioteconômica. Me vejo hoje como uma pessoa muito diferente em comportamentos, mas ainda capaz de lutar por um ideal até o fim. Alguns me classificariam como idealista e boba, mas acredito que gosto tanto da vida, que busco vivê-la com intensidade e sinceridade.
Me chamo Michelle Pinto, 30 anos, solteira, Graduada em Biblioteconomia (UFMA) e ex-petiana, bibliotecária do IFMA-Campus Açailândia, Especialista em Gestão Pública, virginiana, perfecionista, que queria ser Delegada da Polícia Federal e virou bibliotecária, que adotou a profissão de coração e não pretende partir para outra área, mas pelo contrário, pretendE investir e contribuir para melhorá-la, para tanto, tenho interesse pelo estudo das Políticas Públicas de Informação e Cultura pois entendo que este é um dos caminhos a serem percorridos pelo Bibliotecário. 
 Um livro? 
Um General em seu Labirinto (Gabriel Garcia Marques)
A hora da estrela (Clarice Linspector) 
 Um filme?
Fala com ela (Pedro Almodovar)
Sexo por compaixão (Laura Mañá)
Dogville ( Lars von Trier)
 Uma frase?
“Meu lar é pensar as coisas que eu penso. Esse é meu lar. Meu lar não é um lugar material por ai… meu lar está na minha mente.” (Bob Marley)
"O bonito me encanta, mas o sincero... Ah! Esse me fascina". (Clarice Linspector)
 Trabalha em que tipo de Biblioteca? 
A Biblioteca que trabalho é um "balaio de gato". Aqui é uma Biblioteca especializada, universitária e escolar. Ela é Tri-sexual...dá para três tipos de usuários....kkkk
Qual imagem tem do Bibliotecário?
A imagem que idealizo é de um profissional muito requisitado, com uma importante função social e valorizado. Mas o que vejo, é um profissional mal-renumerado, desvalorizado, conservador e despolitizado. "só a luta muda a vida".
 Qual imagem acha que passa para o usuário?
Meus usuários dizem que sou engraçada, debochada, sábida e contraventora. Dizem que sou a mais popular da escola (me sinto no Seriado Glee).
 O que te diferencia de outros profissionais?
Provavelmente por que não consigo ver injustiças e ficar calada. Eu sou reclamona, falo o que penso e sempre escolho um lado para estar, nada de ficar em cima de muro, até porque não não sou papagaio.
Se meu chefe tem um computador e mesa bonita, quero um igualzinho e encho o saco ate conseguir. Se o orçamento é de 60 mil por ano para a Biblioteca, pertubo até conseguir 180 mil. Se tem reivindicações de melhorias, estou eu lá no Comando... e assim vai.
 Qual o maior mico que já pagou numa biblioteca?
Eu não sei pedir silêncio ou disciplinar os alunos. Sempre que vejo que estão bagunçando e vou chamar atenção, começo a rir e perco a moral. Outra coisa, vejo os alunos falando palavrões, chamo atenção (rindo) e alguns minutos depois estou eu também mandando um Porra/Caralho. Fazer o que, não sou perfeita! (eu já me vi em situação semelhante... O ruim de  Biblioteca Escolar é que a gente quer ser legal e não tia chata, mas a escola nos exige ser tia chata!)
 Qual o seu Hobby? 
Viajar, desbravar lugares desconhecidos. Me reunir com os amigos para um papo producente. Namorar. Tomar minha cerveja bem gelada e ver o por-do-sol curtindo uma "brisa".
 Qual o seu maior sonho? 
Ter uma conta bancária significativa para não fazer continhas no final do mês...kkk (brincadeira). Pagar viagens para todos os meus amigos curtir a vida comigo. Ser pedida em casamento pelo Almir Sater ou Tony Garrido, mas eles já são casado (meleca).
Meu maior sonho é não ver injustiças sociais e num mundo mais tolerante. (Tony Garrido até entendo, mas... Porra! Almir Sater! Qualé?)
O que faz fora da Biblioteca?
Quer saber todos os meus segredos né??? Hum...
Gosto de aproveitar a vida, filhinha... aproveitar minha mocidade. Algumas coisas serão censuradas para não chocar...kkk
Trivialmente gosto de sair com os amigos, tomar chop, namorar, viajar...
 Quais ações culturais você realiza ou gostaria de realizar?
 O que faço de fato: Levar os alunos para participar de Feiras de Livro / Organizar Eventos científicos como Semana do meio ambiente e Semana de Ciência e Tecnologia / Dia do Livro / Semana de Africanidades e Diversidade Cultural.
O que quero fazer: 1ª Feira do Livro de Açailândia, Conversas Literárias, oficinas de leitura, A hora do conto para crianças do pré-escolar da rede municipal de ensino. Cineminha.
 Por que escolheu o curso de Biblioteconomia?
Morava em Brasilia e conhecia várias pessoas com essa formação. A maioria trabalhava em tribunais, congresso nacional, ministérios, etc e tinham salários excelentes. Daí achei que teria o mesmo destino dessas pessoas... bem, o salário é igual do "professor Raimundo" (Escolinha do Professor Raimundo), mas a satisfação em ser bibliotecária superou as minhas expectativas. 2º motivo: não passei na prova de vestibular para Direito na UnB, e Biblioteconomia era de fato minha segunda opção de profissão.
 Quais são suas expectativas para o futuro profissional?
Hoje penso em fazer pós-graduação na área e quem sabe voltar para a universidade na qualidade de docente. Ou resgatar meu projeto original de fazer concurso para um desses tribunais da vida ou congresso nacional e ganhar 18 mil por mês....kkkk
Na verdade eu gostaria de ser uma grande pesquisadora na área de ciência da informação.
 Biblioteconomia foi sua primeira opção ao prestar vestibular?
Claro que não....kkk
Fiz vestibular 3 vezes para Direito na UnB.
Cheguei a cursar 4 períodos de Direito numa faculdade particular de Brasília e me sentia medíocre, daí fui fazer pedagogia na UnB e me revoltei com Educação. Gerei uma revolta contra o academicismo exacebardo e passei a ver a universidade de outra forma.
 Você acha que o campo da Biblioteconomia ainda é visto como um campo dominado por mulheres? 
Nem tanto. Hoje vejo muitos homens desempenhando as atividades de bibliotecários muito bem. Espero que se mantenha um equilíbrio e equidade de gênero na área para o próprio crescimento da mesma. Cada sujeito, independente de sexo, é capaz de desempenhar muito bem os fazeres biblioteconômicos.
 A melhor lembrança que teve da graduação?
Com certeza as viagens para eventos de estudantes. Foram nesses momentos que podemos conhecer melhos nossos colegas e aprofundar algumas amizades.
 A melhor lembrança que teve da profissão?
Minha experiência como fiscal no CRB 13 - MA.
Através desse trabalho pude conhecer vários ambientes (bibliotecas), os fazeres biblioteconomicos, os profissionais e principalmente o mercado de trabalho para bibliotecário no Estado.
 Como você analisa o Mercado de trabalho?
No Maranhão: desorganizado
No País: promissor

Fonte: www.bibliotecariaescandalosa.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui seu comentário